Operação da PF prende 35 em Porto Velho e Guajará-Mirim | Bastidores da Notícia

Rondônia/RO - A Polícia Federal deflagrou nesta manhã (10/7) a Operação Potência, para combater organização criminosa especializada em tráfico internacional de drogas, em Rondônia, Maranhão e Pará. 

Ao todo, estão sendo cumpridos 85 mandados judiciais, sendo 35 de prisão preventiva, 37 de busca e apreensão, cinco conduções coercitivas e oito de suspensão de atividades empresariais, expedidos pela Justiça Federal em Guajará-Mirim/RO. 

Em Rondônia, a Polícia Federal cumpre mandados nas cidades de Guajará-Mirim/RO e Porto Velho/RO. Além delas, os policiais federais cumprem mandados em Açailândia/MA e Altamira/PA. 

Durante as investigações, a Polícia Federal identificou um grupo criminoso que atuava no tráfico internacional de drogas, com base em Guajará-Mirim e ramificações na capital Porto Velho e em outros estados. A quadrilha operava em um sistema de “consórcio de drogas”, que consiste na articulação de vários compradores para adquirirem a cocaína dos fornecedores bolivianos de Guayaramerín, na Bolívia, e realizar a remessa única das substâncias ilícitas para o destino final. 

Alguns dos integrantes, residentes em Guajará-Mirim, eram responsáveis pela negociação, travessia e armazenamento da droga, além de construírem os disfarces nos veículos transportadores, sendo que o chefe do esquema era conhecido pelo apelido de “Potência” – surgindo daí o nome da operação. 

Os criminosos utilizavam uma ilha no Rio Mamoré como ponto de apoio para introduzir a substância ilícita no Brasil. Após o esconderijo, a cocaína era levada para Porto Velho, de onde o transporte dos entorpecentes era realizado para as regiões de Açailândia, Altamira e Belém/PA. 

No decorrer da apuração, os integrantes da organização criminosa movimentaram mais de R$ 4 milhões em contas bancárias próprias e de “laranjas”, além de utilizarem várias empresas de fachada para lavagem dos valores obtidos com o tráfico de drogas. 

Entre 2015 e 2016, foram realizadas apreensões de drogas da quadrilha, que somaram aproximadamente 95 kg de cocaína (cloridrato e pasta base) o que acarretou na prisão em flagrante dos envolvidos e apreensão dos veículos utilizados para esconder os entorpecentes. 

Os presos, após serem ouvidos na Polícia Federal em Guajará-Mirim, serão encaminhados para presídios estaduais e responderão pelos crimes de tráfico internacional de drogas, associação para o tráfico e lavagem de dinheiro. 

[Copa do mundo 2018][vertical][recent][5]

 
Top