Rondônia pode enfrentar nova enchente em 2016, alerta Defesa Civil. | Bastidores da Notícia

0
O monitoramente constante do nível do rio Madeira na região da ponta do Abunã (distante 240 km de Porto Velho), aponta uma subida repentina das águas que indicam uma provável enchente semelhante a registrada em 2014, segundo o secretário da Defesa Civil Municipal, Vicente Bessa Júnior.


O secretário esteve nos dois últimos dias na região onde acompanhou a medição do nível do rio e com base nas previsões do índice de chuva, não descarta uma enchente para os próximos meses.
“O rio Madeira “tá” subindo, tá chovendo e a cada dia daqui pra frente vai subir cada vez mais e nós estamos trabalhando com a possibilidade de uma enchente semelhante a do ano passado. Agora, como eu não posso trabalhar dentro de uma situação confortável, tenho que trabalhar dentro de uma situação semelhante a 97, uma cota de dezessete e meio. Então desde o mês passado visitamos nove bairros aqui de Porto Velho sinalizando para os moradores que se o rio passar da cota quatorze (metros) que eles nos informem que agente vai ajudar a tirar eles das áreas afetadas”, disse Bessa.
No dia 25 de dezembro, o nível do rio  atingiu a cota de 14,78 no Abunã, onde a cota de transbordo é de 20,45, porém o nível atual está acima do previsto para o período.
Uma das preocupações das autoridades de Rondônia e do Acre, é quanto a situação da BR 364, que liga os dois estados. Em 2014 o Acre passou quase três meses isolado por conta da inundação da rodovia. Bessa disse que uma reunião em Brasília definiu que a Usina de Jirau ficaria responsável pelo monitoramento daquele trecho, mas segundo ele, só a elevação do nível da estrada pode livrar a BR da inundação.
47 pontos de área de risco
Na região de Porto Velho e Baixo Madeira, a Defesa Civil Municipal identificou 47 pontos considerados como área de risco, onde estão sendo instaladas placas sinalizadoras para alertar os moradores e visitantes. Nestes locais a Defesa Civil não vai permitir a instalação de nem a presença de moradores. 
Fonte: Rondoniaovivo

Postar um comentário

 
Top