RONDÔNIA: Bombeiro ajuda por telefone a salvar bebê que se engasgou com remédio | Bastidores da Notícia


Um bebê de quase dois meses foi salvo por telefone ao se engasgar com remédio, no começo desta semana. O salvamento à distância foi feito por um Bombeiro Militar, que orientou a mãe da criança sobre técnicas dos primeiros socorros para ajudar retirar o medicamento da garganta da criança, em Vilhena, no Cone Sul.

O soldado e o pequeno Lucas se encontraram nesta terça-feira (1º), um dia após o ocorrido. “Fico muito feliz por ele estar bem”, diz o soldado. 

Bruno Willian, que é bombeiro militar, orientou os familiares com procedimentos para salvar a criança, que tomou um remédio para prevenir refluxo e quase parou de respirar.

"Dei o remédio do jeitinho que o médico falou, aí deu um tempinho ele vomitou e engasgou. Vi os lábios dele roxeando e ele ficando molinho, me deu um desespero. Então pedi para minha filha ligar para os bombeiros", conta a mãe Eliete Rodrigues de Araújo.

A filha mais velha de Eliete, de 15 anos, conta que ligou e foi prontamente atendida pelo soldado. “Ele foi me acalmando e me dando as orientações para que eu pudesse repassar para a minha mãe”, explica estudante Angélica.

Ao G1, Bruno contou é comum as crianças pequenas se engasgarem com remédios. "Esse tipo de ocorrência é comum, mas é perigosa desde que o solicitante ignore nossas orientações. Ainda bem que neste caso, deu tudo certo. A moça ouviu tudo certinho e passou para a mãe, e assim tivemos um final feliz”, explica.

Pertencente ao 1º Sub-grupamento do 3º Agrupamento, o soldado faz um comunicado a população em geral. "Durante o telefonema, fazemos uma série de perguntas. Isso se chama 'triagem' e é muito importante que quem pede auxílio, que as perguntas sejam respondidas com muita clareza. Nosso atendimento já começa nesta triagem", enfatiza.
De acordo com informações repassadas ao G1, grande parte dos solicitantes não respondem essa pré-avaliação.

"São essas informações que fazem a diferença na hora de atender uma ocorrência. E outra coisa que atrapalha bastante nosso atendimento é o numero de trotes, as pessoas devem ser mais responsáveis e não usar um serviço importante para fazer trotes", finaliza Bruno.


Fonte: g1 rondônia 
 
Top