IDOSA DE 102 ANOS PODE SER A MORADORA MAIS VELHA DE NOVA MAMORÉ, E BUSCA REENCONTRAR SUA FAMÍLIA. | Bastidores da Notícia


A lavradora Francisca Camilo de Araujo de 102 anos, conhecida como dona “Chaga”, pode ser a mulher mais velha  do município de Nova Mamoré.  A aposentada nascida em 07/09/1913, na cidade de Viçosa no estado do Ceará, mora em Nova Mamoré a quase 60 anos.


(DONA CHAGA, COM SEUS DOIS FILHOS)


Francisca Camilo de Araújo ou dona Chaga como e carinhosamente conhecida, chegou em Nova Mamoré em 1957 e hoje reside na Av. Tersina V de Nascimento, no bairro Planalto.

Dona “Chaga” casou-se com 25 anos de idade, com o jovem Pedro Pereira Lima, que veio a falecer ao 67 anos da idade, sendo que o casal teve, sete filhos, quatro homens e três mulheres, dos sete apenas três estão vivo. Quando chegou em Rondônia dona “Chaga”  buscava terra para o plantio, para proporcionar um futuro melhor para sua família juntamente com seu esposo, eles  passaram pelos municípios de Candeias do Jamary, Iata, até chegar no município de Nova Mamoré.



 Dona Chaga morou na Quarta Linha do Ribeirão durante muito tempo, trabalhou muito na roça, com plantio, fez farinha, carregou sacos de mandioca na cabeça, capinou, mas nunca rejeitou serviço,  viveu naquela região por muitos anos, após a morte de seu marido, vendeu seu sitio na 4º linha do ribeirão vindo morar no município de Nova Mamoré, pois sua idade já estava muito avançada.

Um dos filhos de dona Chaga, Raimundo Nonato Pereira, contou como que era o município assim que a família chegou aqui, segundo ele a cidade era tomada por florestas,sendo que a economia era movimentada pelos agricultores da região e o único meio de transporte na época era a locomotiva de ferrovia Madeira Mamoré, que fazia viagens de Guajará Mirim até a capital de Rondônia Porto Velho.





 Raimundo filho de dona Chaga, relatou a nossa equipe de reportagem, que ele andou muitas vezes de trem sendo que algumas vezes até queimava suas roupas na locomoção, devido esta ser movido a vapor. “Brincou Raimundo com nossa equipe”

Raimundo ainda conta que seu Pai, trabalhou na construção do trecho da BR 425, ligando Porto Velho a Guajará Mirim, que veio substituir a EFMM, desativada em 1972. Quando transporte passou a ser feito por, Ônibus, jipes, fuscas e caminhões que levavam mercadorias da região a outros estados, para chegar em Porto Velho nessa época tinha viagens duravam até uma semana, pois na época não havia asfalto na Br.





Aos 102 anos, Dona "Chaga" não tem uma memória muito boa, porém lembra com facilidade o nome de seus sete Filhos. Uma das filhas de dona Chaga veio da cidade de Porto Velho especialmente para cuidar de sua mãe. Hoje dona chaga por está com a idade muito avançada, passa boa parte do seu tempo deitada, porém gosta de ver o nascer do sol pela manhã, e se alegra em tomar café e comer bolacha com a família e com amigos durante a parte da tarde.

(FILHOS DE DONA CHAGA)


Dona Chaga pedi muito para seus familiares para retornar ao Ceará, porém não tem nenhum contato de sua família de lá, Familiares pedem que ser alguém tiver alguma informação de algum parente de dona Chaga que entre em contato com nosso site, para que esse reencontro possa acontecer, pois a idade de dona chaga já é muito avançada.






AGRADECEMOS AOS FILHOS DE DONA CHAGA POR CONTAR SUA HISTÓRIA AO SITE ALERTA MAMORÉ.

- Raimundo Nonato Pereira
- Maria Nonato Pereira



Vejam ás fotos:

















     
 Qualquer informações que possa leva a sua família no Ceará  ligue: (69) 8101-0554 / 93292535

Fonte: AlertaMamoré
Fotos: Papadopulos





 Santana Modas
 
Top